A PERSONALIDADE POR TRÁS DA MÁSCARA

 

 

Olá!

A época carnavalesca já lá vai. Contudo, as máscaras não estão apenas presentes nessas comemorações pagãs. As máscaras, acompanham-nos todos os dias…

No nosso dia-a-dia, conhecemos pessoas que acreditamos serem pessoas de sucesso, são reconhecidas profissionalmente, têm boa reputação, mas, bem lá no fundo, estão profundamente insatisfeitas, ansiosas e/ou deprimidas. Muitas vezes, criamos a ilusão de felicidade, de sucesso e de destaque social, na tentativa de criar um mecanismo de proteção, para reduzir a ansiedade e a insegurança que, eventualmente poderemos estar a sentir.

Mas afinal o que é uma máscara?

Uma máscara é uma cobertura do rosto, que quando a usamos, estamos a comunicar uma identidade diferente da própria. Na nossa vida quotidiana, usamos uma série de máscaras que respondem aos diferentes papéis que desempenhamos na vida e que nem sempre correspondem ao que realmente somos, mas sim à forma como queremos que nos vejam.

Quanto mais distante for a máscara que usamos, daquilo que realmente somos, menos livres nos sentiremos, causando-nos um estado de ansiedade e frustração permanentes.

Assim sendo, porque vestimos as máscaras?

Atrás de uma “máscara”, encontramos um denominador comum: o medo. Nós usamos máscaras por medo de nos expressarmos, medo de sermos julgados, medo de sermos reprovados, medo de não sermos aceites pelos outros, medo de sermos verdadeiramente conhecidos. Por exemplo, há os que usam uma máscara de frieza e indiferença, por medo de aparecerem vulneráveis diante dos outros. Há os que usam a máscara da piada, como forma de evitar conversas sérias, que podem expor a sua verdadeira identidade. Também há os que se refugiam numa atitude hostil, como forma de se sentirem seguros. Assim, temos vários tipos de máscaras: a do trabalho, a do pai responsável ou da mãe permissiva, a da pessoa culta, a das celebrações, uma dos funerais e muito mais. Todas são produtos oriundos da nossa cultura.

As máscaras dão-nos um falso sentimento de segurança e hesitamos em tirá-las, mesmo quando achamos que seria bom fazê-lo. Protegidos por elas, podemos viver numa solidão emocional permanente, cheia de segredos, do medo de ser descoberto, de ser rejeitado, julgado, condenado ou ridicularizado. São várias as razões porque temos medo: temos medo da intimidade, no sentido de que não queremos mostrar o nosso lado mais “sombrio”, e por isso, evitamos comunicar intimamente. Temos medo da separação: “ Eu não me quero envolver contigo, porque podes abandonar-me e eu vou sofrer”. Outros temem a fusão. “Se eu partilhar tudo com outra pessoa, perco minha privacidade e o meu espaço.” Medo da rejeição: Quando uma outra pessoa nos conhece sem produção, com um rosto lavado, com defeitos e virtudes, como somos, ficamos angustiados, temendo que o outro possa não gostar de nós. Finalmente, há o medo da responsabilidade. “Se eu me aproximar demasiado, vou ficar envolvido e isso vai obrigar-me a estar lá quando precisarem de mim e eu não estou disposto a comprometer-me”. Todos estes medos (e tantos outros) servem para dissimular-mos o nosso verdadeiro eu. Acabamos por disfarçar uma das nossas belezas maiores: o charme natural de nos mesmos.

Com base no exposto, as máscaras que usamos são manifestamente frágeis e, apesar do esforço em mantê-las intactas, há algo mais profundo que rege o nosso comportamento. Falo naturalmente, das emoções. Mais cedo ou mais tarde, a nossa essência far-se-á notar, quer por atos ou palavras, quer através de gestos ou atitudes, muitas delas inconscientes.

E isto acontece quando as máscaras quebram perante circunstâncias imprevisíveis, stressantes ou inesperadas; isto é, circunstâncias fora do nosso controle.

Como viver sem máscara?

Conhecendo-se: uma das tarefas mais complicadas que os seres humanos têm é o auto conhecimento, já que somos dotados de um sistema de elevada complexidade. No entanto, na medida em que nos conhecemos e aceitamos como somos, seremos mais e mais livres.

Tenham presente: chegará uma altura em que nenhuma máscara se encaixará no vosso rosto. E então, não haverà alternativa a não ser mostrar o que há tanto tempo vinha escondendo.

Como diz Paulo Coelho:

 “ Por detrás da máscara de gelo que as pessoas usam, existe um coração de fogo.

Até breve!

 

 

 

One Reply to “A PERSONALIDADE POR TRÁS DA MÁSCARA”

  1. Descbri o blog agora e acabaram de ganhar mais um leitor, recomendo a 100 % este blog, leitura interessante e instrutiva, parabens a todos que estao envolvidos no projeto, continuem o bom trabalho e a leitura construtiva, muito sucesso a este blog é o que desejo

Deixe uma resposta